sábado, 24 de abril de 2010

O Começo Do Fim.

Como sempre deixei claro que tudo que falo aqui podem ser sim, opiniões e visões sobre assuntos que vejo e que vivenciei, sim! Mas nada foi propriamente dito sobre minha pessoa, nada em particular diretamente, pois este não é o propósito deste blog, e sim talvez eu nem saiba o propósito de tudo isso, talvez seja mais uma "distração" à minha cabeça, talvez seja uma ajuda à alguém que mesmo "sem querer ajudei" ou simplesmente um "ponto de refugio" meu, onde expressei pensamentos em palavras sobre aquilo que queria expor e dividir isso, talvez seja NADA.

Contraditório dizer que irá começar o "começo do fim"? Talvez, talvez não, o sentido teria "talvez" o único significado, o começo de um final, o começo onde tudo irá acabar, aonde nada mais faz sentido, aonde nada tem mais valor, onde nada vale a pena, sempre procuramos sentido nas coisas, no que fazemos, em nossas atitudes e pensamentos e vontades, mas as vezes parece que nada faz sentido, tudo parece que sempre tudo o que fazemos é em vão, aceitamos o "comodismo" sim, em particular, já não sei mais se ainda continuo nessa "doença" do comodismo, da ignorância social, do conformismo.

Uma doença que se espalha como um vírus, aceitável à todos que estão com a "imunidade baixa" a imunidade mental, a imunidade do prazer em viver, do motivo, da razão, do valor em fazer algo, daquilo que subestimamos e não temos a coragem para enfrenta-lo,talvez seja esse um de muitos motivos que são escritas essas palavras, talvez ainda esteja "contaminado" à isso, mas sei que isso tem "cura", aonde procurar? Em você mesmo, olhando para si e vendo que há dentro de você alguma força restante para que ainda possa querer mudar alguma coisa, para fazer algo de bom à quem precise ou à você mesmo.

Eu busco o meu Deus, aquele que me sempre me deu forças, a maioria dos psicólogos, grandes pensadores, humanistas, também buscam em si algo em que possa se fortalecer, mas de que adiantaria desde você ser o grande humanista e critico de tudo aquilo que lhe convenha à dizer até o mais "pobre em pensamentos", aquele que não saiba se expressar diante a "A SOCIEDADE" com belas palavras e discursos filosóficos e inteligentes, de que adiantaria? Todo nós iremos "crescer" e vamos ver com nosso próprios olhos a realidade de como é o mundo "aqui fora" e ver de que tudo que é discutido,pensado e estudado, valeria de nada se não fosse a vivência naquilo que somente analisamos e criticamos.

Há um velho ditado "Fácil é dizer, difícil é fazer", faz sentido, muito fácil criticar e sair escrevendo sobre aquilo que lhe der na telha, palavras e mais "blá blá" talvez palavras que façam sentido ou até são jogadas fora sem motivo algum, em particular já não sei mais o que serei, se este blog com pouquíssimos post's ajudou alguém, recebi criticas, elogios, comentários, opiniões, sugestões, mas não desistirei de meus ideais, não vejo um ideal como uma "meta" de vida, mas sim uma razão para seguir nessa loucura toda de viver, não sei se serei um "psicólogo" talvez não tenha o dom de tanta paciência assim, não sei serei um critico ou um pensador, mas quero ser sim um ativista, ativista daquilo que coloco em palavras, à prática!

Sendo assim, talvez este seja o último post postado nesse blog, não sei se continuarei com isso, de que adiantariam palavras "sábias" e bonitas sem nenhum real sentido, sem nenhuma razão de fazê-las tornarem reais, pois bem, isso que seguirei, farei de todos esses pensamentos, atitudes, e sim me arriscarei até o fim de meus dias para que tudo um dia alguém me mostre o verdadeiro sentido disso tudo, peço à Deus para que esse dia chegue e para que Ele mesmo me mostre isso.

Gostaria de dizer mais uma vez, obrigado pelas poucas pessoas que tem a paciência de ler essas palavras, e à aquelas que estão do meu lado não só nas horas boas, mas nas ruins e à aquelas que não dizem sempre sim, mas também dizem não!

À você que leu até aqui, obrigado, pela paciência e desejo-lhe que reflita não só no texto apresentado, mas sim no texto da sua vida, o que você está escrevendo!

Adeus? Tchau? ...

*Ouvindo: Radiohead - "Knives Out"


Você pode comentar, elogiar, criticar à vontade, esse seria um dos propósitos do blog, ver as diversas reações das pessoas ao lerem essas poucas palavras não muito sábias, porém verdadeiras.

[ clique em comentários abaixo e escolha a opção "anônimo" caso você não tenha uma conta no blogspot, pode colocar seu nome, ou mesmo seguir o comentário como anônimo]

2 comentários:

  1. eu não estou dizendo que você é falso, ou qualquer coisa do genêro, so gostaria de tenta entender, porque vc falou tudo isso, e hoje não da oportunidades de mostrar que as pessoas realmente mudam, eu mudei pela a dor, e tudo o que eu mais precisava era de uma palavra sua, da sua fé!!! como um dia eu ja ouvir, e não soube aproveitar.... para mim todos esses post tem sentido, querendo ou não todos nós somos seres humanos, não cabe a nós julgar... e sim coomprender! isso não é o fim, apenas o recomeço!


    ouve : comptine d'un autre et l'ap - Yann tiersen

    '' ela vai mudar sua vida''
    você mudou a minha.

    ResponderExcluir
  2. Ninguém Importante26 de abril de 2010 11:09

    Não vejo razões para que você pare de escrever. Esta é a minha opinião: "Continue!". Mas todos nós temos nossos momentos, nossas inpirações, nossas vontades e sempre, nossos problemas pessoais. Seja qual for o motivo que esteja te fazendo "Pensar" (sim, pensar, pois esse não definitivamente o fim, mas ainda o começo dele) em parar de postar no teu blog, espero que voce encontre outro "refúgio" ou, outro meio de conseguir abrir os olhos daqueles que insistem em não querer enxergar o mundo a fora. Suas palavras não foram em vão, aliás, nenhum pensamento, opnião, um simples sinal de consciência NUNCA é em vão.

    Venho como aquela pessoa que sempre esteve aqui, lendo e relendo seus posts, ouvindo as músicas sugeridas e refletindo sempre.

    Como o comentário anterior disse, "voce mudou a vida dele(a)", mas não só a dele(a), mas a minha também.

    Fico feliz por ter te conhecido.
    Muito feliz.

    Até.

    ResponderExcluir